Conferências

Pós-doutorando da UFSC apresenta conferência em Paris

O pós-doutorando Felipe Fernandes (foto acima), do Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (NIGS) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), apresentou este mês uma conferência no Ciclo de Palestras Praça Pública, da escola lacaniana, em Paris. O evento foi promovido pela revista de psicanálise “L’ Unebévue” (http://tinyurl.com/859slhu).

O pesquisador falou sobre as políticas anti-homofobia na educação brasileira no período Lula. Além de ter refletido sobre as tensões no campo, com atenção à guerrilha de linguagem entre ativistas, gestores e universitários.
A atual política LGBTTT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e transgêneros) também foi abordada, em especial o veto da presidenta Dilma Rousseff ao projeto Escola Sem Homofobia. “Meu objetivo com este trabalho foi tentar afastar do senso comum para compreender político-teoricamente a potência dessas categorias”, detalha.
Felipe Fernandes ainda apresentou para o público formado por psicanalistas que trabalham com a área escolar o documentário “Homofobia, Lesbofobia e Transfobia” (2008). Na produção, são analisadas categorias usadas por ativistas lésbicas e travestis nas suas falas sobre violências contra identidades.
O pós-doutorando, que estuda na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) por meio da parceria Capes-Cofecub, detalha que suas abordagens partem de uma posição engajada. “A forma como me posiciono no campo político e acadêmico é contaminada pelo mundo social em que vivi como militante, pesquisador e sujeito”, reitera.
Em setembro, Felipe fará uma apresentação oral em La Reunion – ilha francesa localizada à leste de Madagascar – sobre violência letal contra travestis e pais de santo no Brasil.

Crédito da foto: Vinícius Kauê