JORNADA NIGS

01/07/2013 19:12

 Evento abordará a temática gênero e ciência

cartaz_genero_ciencias.001

PROGRAMA 

Local: Mini-auditório do CFH – UFSC
Quinta-feira, 4 de julho de 2013
15:00 – RECEPÇÃO, EXPOSIÇÃO DE POSTERES E ABERTURA

15:30 às 17:30- Mesa Redonda 1 – Mulheres na História da Antropologia e Museologia  –  Projetos de Iniciação Cientifica desenvolvidos no NIGS (2008 a 2013)

Coordenadora: Betina Lima (UNICAMP e CNPq)

Apresentadoras:
Miriam Grossi (UFSC) – Gênero na história e na transmissão das antropologias e campos cientificos contemporâneos: balanço da formação de jovens pesquisadoras/es

(mais…)

Debate com Ilana Lowi

02/12/2012 15:53

 Ilana Lowi é a convidada para debater Ciência e Gênero

O encontro do grupo de estudo Gênero, Feminismo e Ciência da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) será nesta sexta-feira, às 18 horas, na sala 317 do CFH.

Confira a convidada especial dessa sessão:

ILANA LOWY (CERMES – Paris- França):  Sobre gênero e biomedicina com foco na questão dos hormônios e o biopoder farmacológico contemporâneo.

 

Entrevista

07/03/2012 12:19

Especialista discute os papéis sociais da mulher na contemporaneidade

Acesso ao mercado de trabalho, violência contra a mulher e legalização do aborto são alguns dos temas ainda relevantes para a questão das mulheres

prof_miriam_grossi_div_606x455

Miriam Grossi, coordenadora do Instituto de Estudos de Gênero da UFSC

O Globo Ciência apresenta a vida e o pensamento de dois dos mais importantes intelectuais do século 20, o casal Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir. As ideias de Beauvoir serviram de combustível para o movimento feminista. De lá para cá, as mulheres vêm conquistando cada vez mais espaço na sociedade, desempenhando papeis que há alguns anos eram impensáveis. Mas, de acordo com a professora do Departamento de Antropologia e coordenadora do Instituto de Estudos de Gênero da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Miriam Grossi, ainda há mais o que se conquistar: “No Brasil, temos uma contradição, que mostra justamente como as questões do feminismo não são iguais no mundo inteiro: aqui, o aborto é criminalizado.A criminalização do aborto é uma situação que coloca o Brasil, no que diz respeito às conquistas feministas, muito atrás de outros países com o mesmo índice de desenvolvimento.”

(mais…)