Entrevista

25/03/2012 00:45

Pesquisador do NIGS na França é entrevistado em rádio do RS

A qualidade do programa Rádio Visão obtém reconhecimento na rede mundial. Internautas de várias partes do mundo acompanham o programa de entrevistas (que acontece de segunda a sexta-feira, das 8 às 10 horas) na Rádio Santo Ângelo. Na segunda-feira, 19, o apresentador Paulo Renato Ziembowicz entrevistou o pós-doutorando em Antropologia Social, Felipe Bruno Martins, direto da cidade de Toulouse na França.

O antropólogo, que realizou uma tese de doutorado sobre políticas públicas do Ministério da Educação no Combate à Homofobia no governo Lula, fez contato com a Super, após ler no site da emissora a notícia do jovem de 15 anos – vítima de bullying homofóbico no Colégio Onofre Pires. O pesquisador pretende contatar a família do adolescente para repassar informações a respeito desse tema.

Durante a entrevista, Martins disse que esse tipo de violência é comum, mas que o caso de Santo Ângelo é diferente: o jovem denunciou o fato. “A atitude corajosa do estudante coloca Santo Ângelo como exemplo no combate à homofobia já que, na maioria das vezes, a violência se oculta no silêncio das vítimas”, revela.

O antropólogo explica que tanto na violência física quanto a psicológica, a vítima precisar fazer um boletim de ocorrência. Martins disse que no passado a violência em sala de aula englobava apenas a vítima e o agressor. Atualmente, porém, o conceito de bullying mudou. Até as testemunhas presentes no local da agressão, quando não tomam uma atitude adequada, acabam inseridas como participantes da ação violenta.

O entrevistado acredita que outro diferencial no caso do estudante homossexual agredido no Colégio Onofre Pires é apoio familiar. “Infelizmente, na maioria das vezes, os jovens homossexuais não têm apoio da escola, dos serviços públicos, do Estado e da família. E o resultado dessa falta de solidariedade reflete nos índices de suicídios envolvendo estudantes gays”, diz Martins.

O antropólogo lamentou ainda a atitude da presidenta Dilma Rousseff ao vetar a cartilha de combate à homofobia em sala de aula. Na entrevista ao Rádio Visão, também apresentou um panorama do clima tenso da cidade de Toulouse, onde ocorreu massacre em uma escola judaica que deixou quatro mortos.

Fonte: Rádio Santo Ângelo