PRORROGAÇÃO do Edital de Seleção: BOLSISTA NIGS PIBIC 2021/2022!!

04/08/2021 10:44

Prorrogamos o prazo de inscrição no Edital de Seleção: BOLSISTA NIGS PIBIC 2021/2022 

PROJETOS PIBIC: 

a)  Etnografia as Políticas Públicas de Gênero e Diversidades no Campo da Ciência e Tecnologia.

b) Outros olhares sobre a História das Ciências Sociais  na UFSC.

Este edital se destina a seleção de 02 bolsistas, preferencialmente dos cursos de Graduação de Antropologia ou Ciências Sociais da UFSC, para desenvolverem pesquisa vinculados/as a um dos dois projetos mencionados acima,​junto ao Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (NIGS) da UFSC.

  • Segue edital retificado: aqui

Edital de Seleção: BOLSISTA NIGS PIBIC 2021/2022

25/07/2021 16:31

Edital de Seleção: BOLSISTA NIGS PIBIC 2021/2022 

PROJETOS PIBIC: 

a)  Etnografia as Políticas Públicas de Gênero e Diversidades no Campo da Ciência e Tecnologia.

b) Outros olhares sobre a História das Ciências Sociais  na UFSC.

Este edital se destina a seleção de 02 bolsistas, preferencialmente dos cursos de Graduação de Antropologia ou Ciências Sociais da UFSC, para desenvolverem pesquisa vinculados/as a um dos dois projetos mencionados acima,​junto ao Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (NIGS) da UFSC.

  • Segue edital completo: aqui

NIGS na SBS 2021

13/07/2021 20:14

Na 20ª edição da SBS – Congresso Brasileiro Sociologia, o NIGS participa dentro do Circuito Lilás.

Dia 13 de Julho, a prof. Miriam Grossi participou da Plenária onde foram discutidos o panorama do campo nas Ciências Humanas e também como podemos fortalecer nossa rede.

 

Acesse a programação vinculada aos estudos de gênero aqui.

 

NIGS na IUAES 2021!

07/07/2021 14:05

Convite super especial

Mulheres na História da Antropologia é o tema do GT organizado no congresso virtual da IUAES de Yucatan que acontece de 9 a 13 de novembro. Convidamos para inscreverem resumos sobre antropólogas de todo o mundo, históricas e contemporâneas. As inscrições foram prorrogadas até 10 de julho.
LIGUE para PAPELES / IUAES Congresso Yucatán 2021

Mulheres na História da Antropologia
Conveners:
Felipe Bruno Martins Fernandes
Miriam Pilar Grossi
Susana Rostagnol
Informações / Informações
Espanhol: https://bit.ly/cfpIUAESesp
Inglês: https://bit.ly/cfpIUAESeng

Professora Miriam Grossi é eleita para a secretaria da SBPC

23/06/2021 14:13

Com 60% de participação – o maior índice dos últimos dez anos – a votação nas eleições para renovação da Diretoria, Conselho e Secretarias Regionais da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) terminou nesta terça-feira, 22 de junho.

Sete mulheres vão compor a diretoria, um número inédito na história de 73 anos da SBPC. São elas: Claudia Linhares Sales, atual secretária, eleita secretária-geral com 1.747 votos; as três vagas de secretaria, preenchidas pela professora do Departamento de Antropologia da UFSC Miriam Pillar Grossi (1.227 votos), juntamente com Laila Salmen Espíndola (1.016) e Francilene Procópio Garcia (939); e as duas vagas de Tesoureiras: a primeira ficou com Marimélia Porcionatto (1.698) e a segunda com Ana Tereza de Vasconcelos (1.312).

 

De acordo com a professora Miriam Grossi, a maior participação das mulheres no campo científico brasileiro refletiu nas eleições. “A SBPC reflete este movimento, mas ele não é espontâneo, é fruto de um projeto político e de articulação. Na eleição dei muita ênfase em haver maior representação de mulheres”.

Leia mais.

 

Disciplina ‘Introdução aos Estudos de Gênero e Ciências’ está aberta para a pós-graduação

20/06/2021 12:51

A disciplina Introdução aos Estudos de Gênero e Ciências, oferecida no Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas (PPGICH), está aberta aos acadêmicos e acadêmicas de pós-graduação da UFSC. Com dois créditos e oferecida às segundas feiras, das 18h30 às 20h30, entre 5 de julho e 23 de agosto, ela se relaciona diretamente a uma diretriz da Comissão de Equidade da instituição, que recomenda que se ofereçam disciplinas de gênero introdutórias para pessoas de todos os cursos.

“A disciplina faz parte do nosso compromisso de ministrar disciplinas de gênero para a graduação, pós-graduação e para professoras/es e servidores/as . Com isso o Instituto de Estudos de Gênero (IEG) cumpre o prometido de fazer formações para todos os segmentos da UFSC”, explica a professora Miriam Pillar Grossi, que ministra a disciplina junto à professora  Olga Regina Zigelli Garcia e à pós-doutoranda Bárbara Michele Amorim.

 

Mais informações: https://noticias.ufsc.br/2021/06/disciplina-introducao-aos-estudos-de-genero-e-ciencias-esta-aberta-para-a-pos-graduacao/

SBPC de Santa Catarina convida para roda de conversa em alusão ao dia Internacional da Mulher

08/03/2021 11:59

Mulheres da ciência:


Depois de tantas lutas e conquistas, nesse 8 de março, podemos dizer que há equidade de gênero nas nossas instituições?

Como é o cenário nas instituições acadêmico-científicas quando o assunto é representatividade?

Quais ações institucionais podemos promover para melhorar a equidade e atender a objetivos mundiais de desenvolvimento sustentável?

 

SBPC de Santa Catarina convida para um debate sobre essas questões-chave para uma produção de ciência e tecnologia que represente os anseios de uma sociedade diversa.

No dia 8/03/21, às 18 horas vamos conversar sobre essas questões com mulheres cientistas, educadoras e transformadoras do mundo ao seu redor, que representam importantes iniciativas de defesa da equidade de gênero em suas instituições e na sociedade.

 
Traga suas dúvidas e compartilhe suas experiências, ideias e sugestões. Juntes contribuiremos para que as instituições sejam cada vez mais representativas e úteis na promoção do bem-estar de todes!

 

O debate será transmitido pelo Youtube.

 

 

UFSC lança ações para equidade e debate assimetrias de gênero na ciência

18/02/2021 15:38

dia internacional das mulheres e meninas nas ciências foi marcado, na Universidade Federal de Santa Catarina, pela divulgação de três ações institucionais que buscam refletir sobre as distorções de gênero nas ciências e na instituição. Um curso de seis semanas para estudantes de graduação, uma comissão para a equidade e uma premiação para pesquisadoras mulheres foram apresentadas no evento transmitido ao vivo pela TV UFSC.

O evento também contou com um momento de diálogo entre pesquisadores e pesquisadoras. As professoras Maique Weber Biavatti, da Pró-reitoria de Pesquisa; Alacoque Lorenzini Erdmann, pesquisadora em produtividade 1ª/Senior/CNPq; Debora Menezes, do canal Mulheres na Ciência, Olga Regina Zigalli Garcia e Miriam Grossi, do Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades, representaram a UFSC. O presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen, e a Gerente de Ciência e Pesquisa, Deborah Bernett, representaram a instituição. Bárbara Segal Ramos e Mário Steindel falaram em nome da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). O cerimonial foi conduzido pela professora Francis Solange Vieira Tourinho, da Secretaria de Ações Afirmativas e Diversidades da UFSC.

O curso Ciência, Gênero e Diversidades, iniciativa do Programa Institucional de Apoio Pedagógico aos Estudantes (Piape), foi planejado para ampliar os espaços de debate sobre o tema entre estudantes de graduação. A ação foi apresentada pela professora Olga, que lembrou que o plano de ensino prevê seis módulos, com temáticas que contemplam desde as interseccionalidades, até violência de gênero. Os encontros remotos semanais terão duração de uma hora e meia e atividades virtuais síncronas e assíncronas, iniciando em março.

A professora Alacoque Lorenzini Erdmann foi responsável por apresentar a iniciativa da UFSC em formar uma comissão para a equidade, formalizada em portaria da Saad, com representação de mulheres de diferentes setores, cargos e campi. “A comissão irá debater políticas sobre aspectos que promovam a diversidade, em especial a valorização e o respeito para que as mulheres possam construir com o seu melhor potencial que a sociedade tanto espera”, sintetizou. “Essa comissão será como foi pensada o curso: com diversidade étnica, de gênero. Se nós queremos trazer a política de equidade, precisamos iniciar desde a comissão”, reforçou a professora Francis. A equipe funcionará como um grupo de trabalho.

Outra ação lançada pela UFSC foi a premiação voltada para cientistas mulheres, com regulamento para os mais diversos níveis da carreira: das iniciantes às seniores. Além da diplomação, as premiadas terão suas pesquisas divulgadas em vídeos a serem produzidos para a série Traduzindo Ciência. Elas ainda irão integrar a galeria dos destaques da Propesq. A professora Maique referenciou uma série de mulheres da UFSC premiadas em 2020, em iniciativas diversas, mas destacou que a universidade também irá buscar reparar as assimetrias. As inscrições começarão no dia 8 de março, dia internacional da mulher.

Efeito tesoura, assimetrias e indicadores

Para Maique, uma das lideranças que alavancou essa discussão na UFSC, as assimetrias de gênero são culturalmente visíveis e por isso identificadas também na universidade. “Nas áreas de ciências exatas e engenharias isso é ainda maior”, destacou. Ela também tratou do chamado efeito tesoura, metáfora que indica a dificuldade das mulheres em chegarem ao topo da carreira científica. “A mulher perde espaço porque foi inserida na ciência, mas não deixou de fazer tudo o que ela fazia antes. Toda a função de cuidado, com raras exceções, ainda é das mulheres, o que gera sobrecarga em toda a carreira científica”, resume.

A professora Débora Peres Menezes, que apresentou o Canal Mulheres na Ciência, lembrou que a diversidade de gênero também contribui com a lucratividade e promove uma ciência de mais qualidade. Ela reiterou o problema do efeito tesoura e também trouxe à tona o efeito Matilda, em que mulheres são invisibilizadas pelos seus pares, a exemplo do que ocorre no filme Estrelas além do Tempo.

A professora Miriam Grossi reforçou a importância de se olhar para os marcadores sociais de diferença e lembrou que, na UFSC, há poucas mulheres negras, indígenas e trans na docência. Com relação ao financiamento científico, afirmou que existe diferença nos pareceres a projetos submetidos por homens e por mulheres e disse que os homens tendem a se afastar dos lugares de poder quando não há recursos financeiros disponíveis. Ela também considera a maternidade uma questão central a ser debatida. “Queria lembrar para as colegas mais jovens que só tem dez anos as licenças maternidades para as bolsas Capes e CNPq”, disse.

O presidente da Fapesc,  Fábio Zabot Holthausen, apresentou dados ilustrativos sobre a temática mulheres na ciência. Em 2020, por exemplo, entre os proponentes de projetos de pesquisa na fundação, 60% eram homens. Já entre bolsistas de mestrado e doutorado, o panorama se inverte. “Não podemos acreditar que somente num mundo de homens teremos avanços. É extremamente necessário termos equipes com pluralidade de gênero”, disse. Segundo ele, a instituição já está refletindo sobre essas questões e deverá ter um prêmio de pesquisa com categoria específica para mulheres.  Deborah Bernett, gerente de Ciência e Pesquisa, afirmou que a Fapesc já está fazendo parte desse movimento de mudança, com “clareza e tranquilidade”.

Representando a SBPC, os professores Bárbara Segal Ramos e Mario Steindel falaram sobre o Prêmio Carolina Bori e sobre a campanha das meninas e mulheres nas ciências lançadas no Instagram da SPBC-SC. Steindel parabenizou a iniciativa da UFSC. “Iniciativa belíssima, que já vem atrasada. Nós precisamos corrigir essas assimetrias de gênero dentro do campo da ciência”.

Disponível no link: https://www.youtube.com/watch?v=oScy4leEv00&feature=emb_title

Fonte: Notícias UFSC

NIGS participa do Congresso Virtual da UFBA 2021

17/02/2021 10:16

Entre os dias 23/02 e 26/02, haverá uma série de atividades realizadas por diferentes redes e grupos de pesquisa em torno dos temas de gênero e sexualidades dentro do Congresso Virtual da UFBA 2021, intitulada “Gênero, Sexualidades e suas Interseccionalidades: uma série de atividades on-line multi-redes e multi-projetos”.

Especificamente, a professora Miriam Grossi participará da Mesa-redonda: “Antropologia Feminista no Mundo: diálogos transnacionais”.

Curso Ciência, Gênero e Diversidades

11/02/2021 12:53

O Programa Institucional de Apoio Pedagógico aos Estudantes (PIAPE), em parceria com a Pró-Reitoria de Pesquisa (PROPESQ) e o Instituto de Estudos de Gênero (IEG) oferecerá a todas e todos os estudantes de Graduação da UFSC, a partir de março de 2021, o curso Ciência, Gênero e Diversidades, com encontros remotos semanais durante 6 semanas. O curso poderá ser validado como atividade complementar pelos participantes, mediante participação em, no mínimo, 75% das atividades.

Esta iniciativa, lançada no Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, 11 de fevereiro, tem o propósito de fomentar discussões e reflexões sobre a trajetória feminina na ciência, explorando causas sociológicas e culturais que refletem a assimetria de gênero na ciência no Brasil e no mundo. O principal objetivo deste curso, que conta com renomadas especialistas no tema, é possibilitar que estudantes da UFSC conheçam o contexto histórico-cultural que norteia a trajetória cientifica das mulheres, visando contribuir para o fortalecimento do trabalho científico feminino.

Período do Curso:  22 de março a 03 de maio de 2021

Conheça o Programa do Curso Ciência, Gênero e Diversidades

Inscrições aqui

Cientistas Sociais e o Coronavírus

03/12/2020 11:45


O livro Cientistas Sociais e o Coronavírus é resultado de um esforço coletivo, realizado em um tempo excepcional. Nele reunimos a reação de duas centenas de cientistas sociais, pesquisadoras e pesquisadores das ciências humanas, escritas no no “calor da hora” da primeira onda da pandemia do Covid 19 no Brasil. Ao longo de 17 semanas, a partir do primeiro domingo do isolamento social decretado no Brasil, de 22 março até 17 de julho de 2020, publicamos um boletim diário que apresentamos aqui em formato de livro. A organização dos textos neste livro, dividido em 29 tópicos, visa entender a amplitude dos temas abordados no Boletim. Serve também para o uso didático do livro em cursos de graduação e pós, seguindo as sugestões de vários colegas que incorporaram os textos do Boletim em suas disciplinas, ministradas de forma remota neste ano de isolamento social. Agrupamos os textos nos seguintes tópicos: 1. Textos de apresentação e análises do Boletim 2. Balanços da pandemia 3. Conjunturas políticas 4. Riscos, incertezas e medos 5. Meio ambiente 6. Pandemia e história 7. Desigualdades Sociais 8. Alimentação 9. Pandemia situada 10. Questões do social 11. Para além das fronteiras brasileiras 12. Gênero: Violências, Raça e Trabalho 13. Populações do campo e questões rurais 14. Impactos da pandemia sobre Populações Indigenas 15. Impactos em populações tradicionais: Quilombolas, Ribeirinhos e Ciganos 16. Saúde Mental 17. Ciência 18. Arte e Imagens da Pandemia 19. Segurança pública, prisão e violências 20. Politicas Públicas 21. Internet e conexões 22. Religião 23. Morte 24. Economia 25. Velhice 26. Gestação, partos e nascimentos 27. Outras epidemias: Zika Virus e Cólera 28. Deficiências 29. Educação e Ensino à Distância

Cientistas Sociais e o Coronavírus

MIRIAM PILLAR GROSSI
RODRIGO TONIOL
(Organização)

Coedição
ANPOCS e Editora Tribo da Ilha

Coordenação da editoração
Tânia Welter

Apoio
Marie-Anne Leal Lozano e Lucía Copelotti

ISBN 978-85-64806-47-4
COMITÊ EDITORIAL DO BOLETIM CIENTISTAS SOCIAIS DA ANPOCS
Amurabi Oliveira (UFSC)
Camila Risso Sales (UFLA)
Carlos Benedito Martins (UnB)
Carlos Steil (Unifesp)
Felipe Fernandes (UFBA)
Flavia Biroli (ABCP – UnB)
Jane Beltrão (UFPA)
Luciana Balestrin (UFPEL)
Luiz Mello (UFG)
Marcelo Campos (UFGD)
Maria Filomena Gregori (ABA – Unicamp)
Miriam Pillar Grossi (ANPOCS – UFSC)
Patricia Rosalba Costa (UFS)
Rodrigo Toniol (ACSRM – UFRJ)

Visualizar – Baixar

Feminismos, género y sexualidades: Presentación del Libro Antropologías Feministas en México

03/12/2020 11:36

Presentación del Libro “Antropologías Feministas en México: epistemologías, éticas, prácticas y miradas diversas”. Coordinadoras: Lina Rosa Berrio Palomo, Martha Patricia Castañeda Salgado, Mary R. Goldsmith Connelly, Marisa Ruiz Trejo, Monserrat Salas Valenzuela, Laura Valladares De la Cruz. Editado por: UNAM, UAM-I, UAM-X y Bonilla Artigas Editores.

En el marco del Congreso de la Asociación Latinoamericana de Antropología (ALA). Miércoles 25 de noviembre de 2020.

Mesa de Publicaciones 1: Feminismos, género y sexualidades. Presentadora 1: Dra. Patricia Castañeda Salgado (CEIICH/UNAM). Libro: Antropologías Feministas en México: epistemologías, éticas, prácticas y miradas diversas.

Presentadora 2: Miriam Grossi (UFSC). Libro: Teoria Feminista e Produção de conhecimento situado: Ciências Humanas, Biológicas, Exatas e Engenharias.

Presentadora 3: Yinna Ortiz Ordoñez. “Devenir trans. Relatos biográficos del tercer sexo en Popayán”.

Gravação completa da apresentação no seguinte link: https://www.youtube.com/watch?v=CRMysLl_QRU

Encontro Aberto – Educação e Diversidades

25/11/2020 00:59

No dia 18 de novembro de 2020, quarta-feira, o Grupo de Estudos e Pesquisas em Gênero, Sexualidades e Interseccionalidades (GESECS) realizou mais uma edição do projeto Encontro Aberto, em formato on-line, com o tema “Educação e Diversidades”.

 Roberto Mubarac (ENS/UEA) e Miriam Pillar Grossi (NIGS/PPGICH/USFC) são palestrantes, Flávia Melo (PPGAS/UFAM) representante do GESECS, sob mediação de Ramily Frota (PPGAS/UFAM). 📚 O Encontro busca compartilhar reflexões e apontamentos a partir das experiências de pesquisa. Indicamos para leitura prévia o livro “Sexualidades, juventude e representações docentes: uma etnografia da educação básica em escolas públicas de Santa Catarina” organizado por Miriam Grossi, Felipe Fernandes e Fernanda Cardozo e o artigo “Ser criança indígena: vozes que ecoam suas culturas da infância” de Roberto Sanches Mubarac Sobrinho.

Acesse as publicações selecionadas em: https://drive.google.com/drive/folder…

Gravação do encontro completo disponível no Youtube, segue link: https://www.youtube.com/watch?v=KmtNxlgE98M

Por mais mulheres negras nas Ciências!

20/11/2020 17:05

 

Neste dia 20 de novembro, o NIGS homenageia as suas pesquisadoras, que constroem uma universidade mais plural!

“Quando a mulher negra se movimenta, toda a estrutura da sociedade se movimenta com ela.” (Angela Davis)

Lançamento de livros do NIGS na 32a Reunião Brasileira de Antropologia, realizada virtualmente de 30 de outubro a 6 de novembro de 2020

10/11/2020 11:25
Três livros publicados pela equipe do NIGS foram lançados durante a 32a RBA.
1. Jeito de freira: uma etnografia da vocação religiosa feminina no século XX / Miriam Pillar Grossi – 1. ed. – Florianópolis: Tribo da Ilha, 2020.

2. Teoria Feminista e Produção de Conhecimento Situado: Ciências Humanas, Biológicas, Exatas e Engenharias

Organização: Miriam Pillar Grossi e Caterina Alessandra Rea
Coedição: Editora Tribo da Ilha e Editora Devires
Ano: 2020

Contato e acesso: https://www.queerlivros.com.br/

3. Etnografia de um congresso: a organização do 18º Congresso
Mundial de Antropologia no Brasil / org. Miriam Pillar Grossi e Tânia
Welter. – 1. ed. – Brasília (DF): ABA; Florianópolis (SC):
Tribo da Ilha, 2020.

Para Miriam Pillar Grossi, da UFSC, homens se aliam diante de ameaça feminina

09/11/2020 11:51

Em entrevista à Folha de São Paulo, publicada em 7.11.2020, uma das coordenadoras do NIGS diz:

ᅠ"O estupro não é sexual, é exercício de poder. O que a gente vê no vídeo da audiência da Mariana Ferrer é uma forma de poder extremo."

As professoras pioneiras do curso de Ciências Sociais da UFSC

31/10/2020 11:46

Esta pesquisa é um desdobramento do projeto “Outros olhares sobre a Historia da Antropologia”, que por sua vez faz parte da linha de pesquisa sobre História da Antropologia, “desenvolvida há mais de duas décadas em pesquisas desenvolvidas em projetos PQ CNPq e de estudantes vinculadas/os ao NIGS-UFSC sobre mulheres antropólogas, campo da antropologia no Brasil e antropologias do sul global” (PROJETO PIBIC NIGS-UFSC 2020/2021 – Outros olhares sobre a Historia da Antropologia).

Neste ano de 2020 o Departamento de Ciências Sociais na UFSC faz 50 anos. Em seu início chamava-se Departamento de Sociologia, e tinha como grandes áreas Sociologia, Antropologia e Estudos Especiais. Como uma forma de recontar sua história, nos propomos a dar voz as mulheres que de sua construção participaram. As principais questões que torneiam a pesquisa são: quem são as mulheres que fizeram parte da construção do departamento de Ciências Sociais e o respectivo curso? Como foram suas trajetórias de vida e profissional? Como suas histórias de vida se entrelaçam com a história do curso de Ciências Sociais?

Nesse momento fazem parte da pesquisa Profª Dra. Miriam Pillar Grossi, a pós-doutoranda Barbara Michele Amorim e as bolsistas Pollianna Aparecida Alessio e Suzana Morelo Vergara Martins Costa.